Considerações do vídeo Na presença dos Anjos

Deus quer trabalhar conosco, fazer um trabalho conjunto, essa é a beleza do trabalho de Deus e o grande amor dEle, com o ápice da criação, e por isso muitas coisas devem e somente terão resultados com esse pensamento, e ações conjuntas. Explica diversas dúvidas.

O Guardião não tira sua liberdade, ele a respeita, o seu livre arbítrio, mas ele inspira o seu protegido para o bem, empurra para a prática do bem.

O Guardião é o caminho para nos levar a Deus, esse é o seu papel.

E sim, existe um espírito secundário que leva o ser humano a praticar ou a ter tendências para a prática do mal, que ao mesmo tempo serve de aprimoramento para nós e o Guardião.

O que determina a maior ou menor influência de um é exatamente a quantidade de nuvens espirituais presentes em nosso espírito, e por isso muitas de nossas práticas são exatamente para eliminar as nuvens espirituais, que nos livram também de sofrimentos atuais e mesmo futuros, junto com a prática como por exemplo a ministração da Terapia Japonesa EHT nas pessoas, que nos traz mais luz ao nosso espírito, luz que tem a força de eliminar nossas nuvens. Portanto, tudo o que fazemos e apresentamos em nossos cursos é para nos aproximar das Leis de Deus, e, portanto, gerar felicidade e mais felicidade, em eterna prosperidade, saúde e paz.

O Guardião exerce papel de protetor ao ser humano e tem poderes, se necessário, infringir mesmo algum sofrimento ou algo ao mesmo a fim de chamar atenção. O poder do Guardião vai muito além do que estamos acostumados e com muitas crenças populares. É de grande virtude, porém devemos ao máximo praticar o que aprendemos nos cursos para que a influência dele na nossa vida seja maior, mais forte e clara pois apenas dessa forma conseguiremos estar no Caminho da felicidade, com proteção e bem menor sofrimento.

Veremos que o conceito de dualidade da igreja católica é conhecimento corrente, ou seja, que o ser humano é composto por corpo e alma (espírito).

De acordo com a súmula teológica de São Tomas de Aquino, as qualidades inerentes ao espírito são um pouco diferente do que aprendemos, ou seja, a que já colocamos tanto no curso de Terapia Japonesa EHT e aqui, neste curso, são o pensamento (que chama de intelecto), os sentimentos e a vontade. São essas as qualidades do espírito mais comuns. E são nessas características que os Guardiões atuam com mais frequência, apesar de termos dado já as outras formas de atuação – como sonhos, sexto sentido, pressentimentos, inspirações etc e mesmo interferência física tanto no protegido como no seu redor.

O conceito corrente na igreja católica assim como no meio evangélico, segundo essa visão colocada pelo Padre Paulo Ricardo, é que muitos percebem ou mesmo recebem mensagens do espírito santo. Nesta visão o Padre explica que sim, é verdade, desde que se entenda que o Guardião é considerado parte ou é do Espírito Santo. Uma visão muito próxima do que já colocamos nas aulas anteriores.

Também é considerado que se deve retirar nossa resistência (o egoísmo e o nosso Gá explicado no curso O Método), portanto devemos ser dóceis ao nosso Guardião e que, por fim, podemos sim orar para o nosso Guardião, visto que é o intermediário entre nós e Deus. Não querer que nossa vontade seja a única a ser levada em conta, mas que devemos colocar nossos problemas e fazer nossa solicitação, desde que tenhamos feito o máximo com nossos esforços e só depois entregar nas mãos de quem pode nos mostrar melhor caminho, saída ou solução e sermos gratos e humildes.

Uma colocação excelente que o Padre faz é sobre o Guardião se afastar do seu protegido. Isso não acontece nunca pelo simples fato de a missão dele é de nos proteger desde o nascimento até nossa morte, e para eles missão dada é missão cumprida, não importa o que achemos ou pensemos a respeito, porém o inverso se dá, ou seja, que nós nos afastemos do Guardião. Mas esse ponto se dá não pela distância, mas por nos tornarmos insensíveis as suas manifestações em nossa vida. Esse distanciamento se dá apenas de nossa parte, nunca da parte do Guardião, ou seja, a nossa cultura, sociedade, e outras interferências externas nos moldam a ponto de não darmos atenção ao sinais emitidos por nosso Guardião. Uma verdade bem explicada.

Como o conhecimento da tríade, na constituição do ser humano é um conceito ainda desconhecido, trazido a luz dos ensinos que nos foram legados, natural se concluir o que foi dito neste vídeo, que é sobre o Guardião não sofrer ou não sentir alegria, a não ser metaforicamente falando segundo o Padre. Na realidade, existe sim a alegria do mesmo em vivenciar seus resultados e esforços serem recompensados pelo espírito do ser humano (primordial) assim como a tristeza de ter falhado em algum ponto, isso faz parte da natureza de um espírito que vive no mundo espiritual e tem acesso a conhecimentos e situações que aqui no mundo material nem de longe podemos desconfiar. E por isso, como já foi explicado em aula anterior (sobre o espírito primordial sentir alegria no mundo espiritual quando volta para lá depois de cumprir seus anos de vida no mundo material) os sentimentos tanto do espírito protetor secundário assim como do Guardião ficarem impressos, portanto, fazerem parte dos sentimentos do espírito primordial.

Outra questão bastante interessante é quando o professor explica os diversos níveis de graduação de santos, em uma explicação que para nós chamamos de níveis espirituais e que a santidade se atinge quando se ultrapassa determinado nível espiritual. Na ótica da teologia católica a santidade permeia diversos graus e seres humanos. Na nossa ótica a santidade existe a partir de determinado nível espiritual, o que pode ser determinado como conceitos convergentes, apenas maneiras diferentes de se expressar. Existem sim mais de uma centena de camadas ou níveis espirituais, ao todo 180. Sendo que as 60 primeiras camadas representam o Plano Superior ou divino, e a camada mais baixa daquele Plano Divino, correspondente as 20 camadas inferiores correspondem exatamente ao nível dos anjos ou santos, que são seremos humanos que atingiram tal nível com suas vivências, experiências e realizações enquanto no mundo material. As outras 60 camadas, correspondentes ao Plano Intermediário e também à grande maioria dos seres humanos encarnados ou que vivem materialmente no planeta e também conhecido como Purgatório, é o Plano imediatamente inferior ao Plano Superior ou Paraíso ou Divino. As 60 camadas que se seguem ao Plano Intermediário são correspondentes ao Plano Inferior, também conhecido como Inferno. Explicaremos com maior detalhes em curso a ser ainda liberado proximamente sobre as camadas e como são a vida dos espíritos em cada Plano e Camadas.

Na interpretação da teologia cristã o Guardião é confundido com os Santos, se bem que isso também pode ser verdade no sentido que o Guardião pode sim ter o nível inferior do Plano Superior e, portanto, está na classificação de Santos (Teologia Católica) ou Anjos (o que os ensinos nos dizem e ensinamos).

Nesse momento temos de esclarecer algo que talvez não tenha ficado claro.

Ao que parece, existe uma interpretação particular da Teologia Católica sobre o Guardião, que necessariamente é um Santo (ou anjo, quando explicamos o nível de anjo nas camadas do Mundo Espiritual acima). No entanto, não necessariamente isso pode corresponder a realidade, mas que o Guardião deve sim estar em nível superior ao seu protegido, visto que se encontra no mundo espiritual e tem um espírito refinado, ou seja, por ter passado mais tempo no mundo espiritual e portanto estar mais purificado e por isso é invisível aos olhos humanos mesmo daqueles que tem sensibilidade de ver espíritos, que anteriormente explicamos com o nome de fantasmas.

O fato de ter um espírito refinado, mais limpo e com bem menos nuvens espirituais, não significa que esteja no nível de santo ou dos anjos. Uma coisa é ser um Guardião e outra ser um Anjo (Teologia Cristã). É possível que um Guardião inclusive esteja nas camadas superiores do Plano Superior, portanto, mais que um Santo, que por outras nomenclaturas poderiam ser chamados de Divindades, e isso dependeria do nível e afinidade, assim como carma do seu protegido. Por essa questão de terminologia denominamos esses seres maravilhosos como Guardiões, mas que popularmente são denominados Anjos Guardiões pelos seus feito maravilhosos e não raramente reconhecidos.

Não podemos afirmar que todos os Guardiões são Anjos, pois alguns podem até ser mais como explicado no parágrafo anterior, o que seria uma denominação inferior ao que seriam na realidade, mas também o contrário parece ser verdadeiro, ou seja, que pode ter Guardião que não esteja no nível dos anjos, porém sim ter um espírito bem mais “limpo” ou com bem menos nuvens espirituais e dessa forma poder cumprir a missão de Guardião. Pode ficar subentendido que no mínimo o Guardião terá um nível próximo dos anjos, e pode ser até uma divindade.

Como podemos observar nosso conhecimento mesmo sendo superior ao que comumente é popular, ainda nos restam muitas lacunas e por certo tentamos demonstrar com essas explicações. Porém podemos afirmar que sim, o que colocamos funciona de fato, é objetivo porque é palpável, e seus resultados também. Mesmo uma satisfação interior, uma felicidade interior é algo palpável para a pessoa que vivencia, mesmo que possa ser considerado como algo menor pelos demais.

Finalizando, como já foi dito, depois que morremos nos separamos do nosso Guardião, o papel ou missão deste, terminou visto que a missão é desde o nascimento até o fim dos dias. Não existem Guardiões, com essa missão, para quem já morreu.

Um excelente vídeo e esperamos que nossos comentários tenham ajudado a entender melhor.

Deixe um comentário